Titicaca Bus – Abandonados na fronteira do Peru

Titicaca Bus – Abandonados na fronteira do Peru

29 de junho de 2019 0 Por Isa

São raros os posts nesse sentido aqui no blog, mas resolvi expor essa experiência negativa para que possa ajudar a vocês. E nesse caso de ajudar é para vocês não caírem na cilada que caí hahah.

Assim que chegamos na cidade de Copacabana já fomos procurar um ônibus para a cidade de Cusco. Nossa ida em Copacabana seria bem breve, bem como um bate e volta na cidade.

Nós nunca estivemos antes na Bolívia, por isso nossas buscas na hora foi sem experiência alguma sobre as empresas que ofereciam esse serviço de transporte.

Decidimos fechar com a Titicaca Bus, isso porque tinha um bom horário/preço e também tinha um espacinho para deixarmos nossas malas e andarmos na cidade. A maioria das empresas de ônibus por ali oferece o mesmo serviço, e os preços são muito parecidos. 

Como estávamos com pressa, compramos logo as passagens e fomos andar pela cidade de Copacabana. Até aí tudo ótimo, inclusive tem um roteirinho de “bate e volta em Copacabana“. 

Quando pegamos o ônibus e descemos na fronteira que tudo começou..

Titicaca Bus: O perregue

Chegamos na fronteira da Bolívia para carimbar nossa saída e depois fomos andando para a fronteira do Peru. O motorista da Titicaca Bus disse para irmos andando e nos pegaria na imigração do Peru para seguir viagem.

Quando chegamos na imigração do Peru, eu consegui o meu visto normalmente. O problema foi que o passaporte do meu esposo estava a menos de 6 meses para vencer, e na imigração peruana ele exigem que o passaporte esteja com mais de 6 meses de validade. O outro problema foi que ele não estava com uma identidade, somente com a carteira de habilitação. Essa situação nos impossibilitou a entrada no Peru.

Meu visto foi cancelado, e meu esposo assinou um documento que declarava a negação da entrada. O motorista da Titicaca Bus foi chamado lá dentro para assinar o documento também, que expunha claramente a responsabilidade da empresa de ônibus no nosso destino.

Até aí nada mais oque fazer, não pudemos entrar no Peru e teríamos que voltar para a Bolívia. Quando fomos conversar com o motorista, ele disse que não podia fazer nada ia entregar nossas malas e ir embora.

O detalhe é que já era noite, tudo escuro e vazio naquela região de fronteira. De noite, no frio, na altitude em um lugar que nunca vimos na vida fomos abandonados à própria sorte. Tentei explicar pelo motorista que ele era responsável por nós, que inclusive ele foi lá dentro assinar um papel de responsabilidade.

Não adiantou nada, gastei meu portunhol tentando pedir uma ajuda, nem que fosse no dinheiro para conseguir um táxi e dormir em algum lugar. Nada feito.

Pegamos nossas malas e fomos em direção à embaixada a Bolívia para tentar o nosso retorno ao país e ver oque aconteceria.

Abandonados pela Titicaca Bus na fronteira

O motorista da Titicaca Bus não estava se importando se ficaríamos ali sozinhos e sem grana. Subiu no ônibus e seguiu viagem, sem nos prestar nenhum auxílio. O máximo que fez foi nos devolver um bilhete e dizer para tentarmos recuperar o dinheiro da passagem no escritório da Titicaca Bus em Copacabana.

Conseguimos entrar na Bolívia outra vez, eu já estava super abalada emocionalmente. Vários planos que fiz para o Peru, teriam todos que ser desfeitos. Reservas que fizemos, passeios que compramos.

Pegamos um táxi que tinha lá perto, pagamos uma pequena fortuna para chegar em Copacabana e procurar um local para dormir. Fomos parando de hotel em hotel mesmo, perguntando se tinham vaga. Encontramos um lugar para ficar e eu devo confessar que não sei se foi caro, mas foi oque tinha.

Eu estava um caco, qualquer coisa já estava chorando, dormi mal e sem saber do nosso destino. Essa foi uma viagem de 15 dias e ainda tínhamos 5 dias na Bolívia, não dava para simplesmente voltar para casa.

Pensamos o seguinte, amanhã vamos no escritório e eles vão devolver o dinheiro da passagem que não usamos. Com esse dinheiro voltamos para La Paz e vemos um rumo, mas a situação não foi bem assim.

Total despreparo e descuido da Titicaca Bus

Titicaca Bus

Eu achei uma coisa tão simples, afinal, era só devolver o dinheiro de uma passagem que não usamos e fim de papo.

Mas na prática foi totalmente diferente, eu expliquei a situação para quem me atendeu (que por acaso era o dono da Titicaca Bus). Ele disse que não poderia me devolver o dinheiro, que tudo oque aconteceu foi responsabilidade minha e não tinha oque ele fazer. Oque ele ofereceu foi apenas uma passagem para La Paz e só.

Eu fiquei tentando explicar pra ele, que a documentação que o motorista de ônibus assinou ele assumia a responsabilidade pela nossa volta. Disse que fomos abandonados na fronteira e tivemos que pagar um táxi caro para voltar à Copacabana. Nada disso deu resultado, ele começou a ficar agressivo.

Eu falei que só queria resolver e ir embora, e de fato era só oque eu queria, já estava tão cansada e desgastada com tudo. Mostrei a foto do documento assinado, expliquei tudo várias vezes e nada. Ele foi ficando cada vez mais agressivo, gritando, batendo na mesa. Com isso veio outro funcionário e basicamente nos expulsou, dizendo que se não era pra resolver era melhor sairmos da Titicaca Bus.

Eu nunca passei por uma situação parecida na minha vida, algo absurdamente constrangedor.

 

Bolsa perdida na Titicaca Bus

Titicaca Bus

Ficamos tão constrangidos com a situação que saímos logo dali, assim que saí eu gravei alguns stories falando dessa situação horrível e alertando os seguidores. Deixei todo esse episódio em Copacabana do Stories destacado Copacabana, é só ir no meu Instagram que está salvo.

Fomos na delegacia que era logo ali em frente para saber dos nossos direitos, afinal não conhecemos a legislação local. A nossa base era a documentação que recebemos no Peru.

Ao chegar na delegacia senti falta da minha bolsa, ela estava com os nossos passaportes, meu celular, cartão de crédito e minha CNH. O único lugar provável era lá: Titicaca Bus. 

Voltei na loja, e perguntei se a minha bolsa tinha ficado lá, os funcionários desconversaram e ficaram nessa de que “iam ver”. Nessa eles me enrolaram uns 5 minutos, e depois falaram que iam ligar pro chefe para saber se ficou com ele. Sem brincadeira, ficaram mais de meia hora enrolando com a minha bolsa. Um jogo de constrangimento totalmente desnecessário.

Depois de muito esperar e toda hora ficar perguntando se haviam encontrado, ele disse que o chefe estava chegando com a bolsa. Fui falar com um outro cara que chegou com a minha bolsa na mão, imaginei que ele iria só devolver a bolsa para mim e fim de papo. Mas PASMEM: Ele reteu minha bolsa e disse que queria ver o meu celular!!!!! Disse que me viu gravando e queria ver oque gravei (oi??!!).

Gente, nessa hora eu fiquei sem ação, pensando que aquele cara ia roubar a minha bolsa com os meus pertences assim na cara dura? Não é possível.

Mostrei umas fotos da câmera, ele queria pegar o celular do Ayrton pra ver oque tinha para poder devolver minha bolsa. Ele só podia estar de brincadeira! 

Depois de muito discutir e falar acho que ele se deu por vencido, e peguei minha bolsa e fui embora dali. Sangue de Cristo tem poder!! Que urucubaca foi essa AAAAAAAAAA

Titicaca Bus Review

Titicaca Bus

A minha avaliação sobre o Titicaca Bus é a pior possível, todo o contexto de constrangimento que eles me fizeram passar foi humilhante. Eu já estava bem abalada emocionalmente e passar por essas coisas foi bem desnecessário.

Essa foto acima é do documento na migração, e como vocês podem ver o motorista do ônibus precisou assinar esse termo. No parágrafo que marque com a seta, vem especificando a responsabilidade da empresa de ônibus em nos proporcionar o regresso, coisa que não aconteceu. 

Não custava nada para ele nos dar duas passagens de volta a La Paz, ou então devolver o dinheiro da nossa passagem.

Sovina, mão de vaca, só pensa em dinheiro. Além de tudo isso prestando a empresa a esse papel ridículo.

Se eu recomendo a Titicaca Bus? NÃO. NUNCA.

Nos acompanhe nas redes sociais e veja o dia a dia das viagens! Não perca nenhuma novidade 🙂

Vamos falar mais de viagem?